domingo, 12 de junho de 2011

DIA DO AMOR!







João e Bernadete se conheceram quando menos buscavam um pelo outro. Sempre ouviram dizer que o acaso às vezes vem ao nosso encontro. E foi assim mesmo, num momento de distração, que se toparam pela vida.

Dia a dia iam se conhecendo, o amor crescendo e de uma maneira única. A unicidade de todo envolvimento que faz esquecer os empecilhos que por ventura possam cruzar o caminho do casal, mas que é a reciprocidade que transforma em coragem e faz virar sinônimo do sentimento mais lindo e gostoso que sentiam no presente.

Nos arroubos de recém-apaixonados, mas com a maturidade regando os sabores da vida faziam da rotina de um casal uma eterna inspiração para não esfriar a relação. Existia criatividade para cada coisa que se propunham a fazer.

Pique-nique com paixão, uma taça de vinho para aquecer a noite fria de onde moravam e a certeza que mais tarde, eternamente, antes de dormir seus dedos e corpos se entrelaçariam no reencontro de almas.

Sabiam-se par um do outro e que por onde fossem estavam juntos. Em pensamento, no coração e na presença física. Tinham muito para descobrirem juntos: um do outro, da vida, da relação e dos sentimentos que já existiam e que surgiriam.

Pensar no futuro faz parte dos planos de qualquer casal, mas João e Bernadete queriam viver do presente, da descoberta daquele amor que surgia dia após dia. De forma constante, crescente e apaixonada. E acabavam planejando, fazia parte do que queriam viver.

Bernadete acreditava no amor. Isso era fato. Uma relação dando certo ou não ela nunca achou que o amor não fosse para ela. Sabia que na vida tudo tem a hora certa de acontecer. Não adiantava querer atropelar o tempo. Mas conversava muito com Deus perguntando aonde ELE estava.

João era um eterno romântico, já maduro achava que não conheceria mais a mulher de sua vida. Mas também nunca desacreditou no amor. Conversava com Deus perguntando aonde ELA estava.

Enquanto isso Deus em seu silêncio sábio mexia os pauzinhos para fazer com que essas almas se reencontrassem. E foi assim que ao piscar de olhos um surgiu na vida do outro. Agora fariam de tudo para não se perderem mais. E a felicidade deles somente dependiam DELES.

E no primeiro Dia dos Namorados juntos o que eles mais desejavam é que a longa espera de uma vida fosse perpetuada na certeza do amor que sentiam.

Um olhar, um toque, um beijo apaixonado e o silêncio depois de um amor com tesão e paixão eram ingredientes que apenas eles entendiam. E era isso o importante. Saberem-se apaixonados e sentirem-se valorizados como amantes e pessoas.

EU TE AMO vinha de várias formas além da delícia do tradicional.




- Sheila Mendonça -



ATENÇÃO: O Plágio é crime e está previsto na Lei nº9610 sobre direitos autorais!


-----------------------------------------------------------------------------

Leiam aqui a minha entrevista ao Blog Um pouco de mim e concorram a um exemplar do meu romance CABRA CEGA.

Mas para concorrer ao sorteio é necessário que comente lá no Blog da Elaine, tá?!

BOA SORTE a todos e beijo, beijo! ;)

-----------------------------------------------------------------------------

CABRA CEGA finalista ao II Prêmio Clube de Autores da Literatura Contemporânea!

Querem conferir a lista com os 10 classificados para a final? Cliquem aqui!

E a mim cabe agradecer ao voto e divulgação de cada um de vocês. Muito obrigada!

Beijo, beijo e carinhos!

She

------------------------------------------------------------------------------